• Especial Vacinação | Infectologista fala sobre efeitos colaterais mais comuns Terça-feira, 15/10/2019 às 10:50:47
    Weber Witt
     
    A vacina, como forma de proteção, pode causar efeitos adversos comuns, mesmo com a segurança comprovada após testes nas diversas fases de fabricação, como explicou à Rádio São Francisco o imunologista Márcio Nehab, pediatra e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).
     
    Incômodo, dor no local da aplicação, vermelhidão e, eventualmente, febre ou mal estar inespecífico então entre os efeitos, de acordo com a infectologista Deborah Mota Carvajal. “Mas esses efeitos não devem ser fator de impedimento para se vacinar porque não são considerados graves”, afirmou ao repórter Jonathan Cavalcante.
     
    Deborah reforçou que um médico deve ser consultado para orientar tanto sobre a necessidade de determinada vacina quanto as que a pessoa não pode receber. “Principalmente pacientes com sistema imune com baixa atividade (imunossuprimido), transplantados, com câncer ou Aids em estágio avançado”, explicou a infectologista. 

    Além desses cuidados, outro é a procedência da informação que cercam o tema. “É comum as pessoas não irem a fundo na informação. Não trabalham com dados, não se informam sobre os riscos e acabam sendo levadas pela enxurrada de falácias e notícias falsas”, destacou o estudante Vinícius Martins, ao acrescentar que prejuízos na saúde podem decorrer da desinformação.
     
    Foto: André Borges/Agência Brasília